Tema de Fundo do Blog Repense | Multibenefícios GPA

Blog Repense | Multibenefícios GPA

Como evitar os erros mais comuns na gestão financeira pessoal em meio à crise?

Publicado em 11/08/2020
Como evitar os erros mais comuns na gestão financeira pessoal em meio à crise?

Em tempos de crise como a que estamos enfrentando, reorganizar as finanças pessoais, repensar os gastos e evitar alguns erros comuns na gestão financeira é ainda mais necessário. As crises que impactam economia sempre trazem incertezas do que nos espera, por isso, ter um planejamento é fundamental e ajuda a nos deixar mais preparados(as) em casos de emergência.

Para muitos, realizar o controle das finanças ainda é uma tarefa difícil, mas esse é um momento de repensar nossos hábitos. Pensando nisso, separamos alguns dos erros mais comuns relacionados à gestão das finanças pessoais e como é possível evitá-los. Lembre-se que ter esse controle te ajudará a manter a organização e a passar por essa crise da melhor forma. Confira:

1 – Não conhecer os seus gastos

Esse é um dos erros mais comuns para quem não realiza o controle financeiro. É comum muitas pessoas não saberem exatamente todos os seus gastos, muitas vezes em função de dívidas, diferentes cartões de crédito ou por simplesmente não registrarem quando e com o que o dinheiro foi gasto. Para corrigir este erro, é preciso anotar, seja em planilhas ou em aplicativos, todos os gastos detalhadamente, desde compras parceladas até gastos mais simples, como cafés ou lanches. Dessa forma, você compreenderá quanto do seu orçamento já está comprometido e conseguirá visualizar suas dívidas para os próximos meses.

2 – Não ter planejamento financeiro

Um dos maiores problemas relacionados à falta do planejamento financeiro é gastar tudo o que ganha ou até mais que isso, gerando dívidas. Por isso, é essencial que você conheça os seus gastos mensais e organize sua renda.

Com o planejamento financeiro, você consegue realizar a divisão dos gastos essenciais, como alimentação, aluguel, contas fixas (energia, água, gás, entre outras), dos gastos circunstanciais (idas ao cinema, roupas novas, saídas para bares e restaurantes, etc.) e ainda vê facilitado o processo de definir prioridades. Em momentos de crise, o ideal é priorizar os gastos fixos e poupar o restante do dinheiro para o próximo mês.

Leia também:

> 4 dicas para você repensar e melhorar suas finanças pessoais > Repensar é evoluir: o que você faz hoje pode ser ainda melhor

3 – Cartão de crédito

Quando não se entende a maneira correta de utilizar o cartão de crédito, ele pode se tornar um dos maiores inimigos do controle financeiro. É importante não se iludir com o limite oferecido pelo banco e se lembrar sempre do quanto a fatura pode comprometer o seu orçamento. O recomendado é sempre se planejar para realizar compras à vista e, caso seja necessário parcelar compras no cartão de crédito, não se esqueça de prever esse valor no orçamento dos próximos meses.

4 – Fazer compras por impulso

Segundo pesquisas recém-divulgadas, com o isolamento social, a compra por meio de meio de sites e aplicativos teve um aumento de 40% só nos primeiros 15 dias de março de 2020. E é bem provável que esse hábito permaneça forte mesmo após a pandemia, em conjunto com novos comportamentos dos consumidores que surgirão.

O ponto de atenção que temos que ter nesse cenário é se as compras estão sendo realizadas por necessidade ou por impulso. Para que isso não ocorra e resulte em dívidas ou em faturas altas de cartão de crédito, faça uma lista das coisas que você realmente precisa durante esse período e se planeje antes de comprar.

5 - Não ter uma reserva de emergência

Muitas pessoas foram pegas de surpresa e não estavam preparadas para lidar com a redução de salário e até mesmo com o desemprego. Por isso, vemos que ter uma reserva de emergência é de extrema importância. Além de casos de perda de emprego, a reserva pode ser útil ainda em situações como acidentes e até doenças.

Então, o ideal é economizar e guardar um percentual da sua renda todo mês, para que você esteja preparado(a) quando precisar.

6 – Não ter um objetivo

É normal se esquecer de planejar o futuro em função da correria do dia a dia e dos momentos difíceis em enfrentamos, mas, com objetivos pré-estabelecidos, você se sentirá mais estimulado(a) a manter as finanças organizadas e motivado(a) a economizar um valor todo mês.

Avalie quais dessas falhas estão presentes na sua vida financeira e adote mudanças para se planejar melhor. Aproveite também este momento para aprender sobre educação financeira. Além de cursos mais completos e livros sobre o assunto, hoje é possível ter acesso facilmente a esses conteúdos em posts nas redes sociais e vídeos na internet.

Compartilhe

Artigos Relacionados

Sua Vida

Regra dos 50-15-35: saiba como ela pode organizar sua vida financeira

A regra dos 50-15-35 é um método simples de controle financeiro, que auxilia na divisão da sua renda de uma [...]

Publicado em: 24/11/2020

Sua Vida

Cardápio semanal: conheça as vantagens para sua saúde e para o seu bolso

O cardápio semanal nada mais é do que planejar todas as refeições que você pretende realizar em uma semana. Mas, [...]

Publicado em: 27/10/2020

Sua Empresa

3 maneiras de valorizar os funcionários em premiações de fim de ano

Recompensar as equipes pelos resultados alcançados e pelo desempenho ao longo do ano é essencial e demonstra reconhecimento pela dedicação [...]

Publicado em: 19/10/2020